quarta-feira, 15 de maio de 2013

"NADA MELHOR DO QUE UM DIA ATRÁS DO OUTRO"

Artigo: Rui Leitão

Normalmente somos dominados pela aflição quando nos vemos envolvidos em situações indesejáveis. Misturam-se sentimentos de medo, angústia e desilusão. Chegamos a acreditar que o mundo está desmoronando ao nosso redor. A fragilidade humana se acentua e leva-nos, muitas das vezes, ao desespero. Todos nós já passamos por ocasiões como essas.
A impaciência desestimula a busca de soluções para os problemas e terminamos assumindo posturas de passividade diante das dificuldades ora enfrentadas. Chegamos a responsabilizar outros por erros que provocaram nossa preocupação.
A sabedoria popular, no entanto, nos ensina, pela experiência, que nada é permanente e tudo tem o momento de superação. Basta aprendermos a ser pacientes, nunca desistir do que queremos e exercitar a prudência como virtude de equilíbrio emocional.
Nenhum dia é igual a outro. Cada amanhecer tem o seu brilho diferenciado. A escuridão das noites existe talvez para que possamos refletir sobre determinadas questões que motivam nossos comportamentos. Todos sabemos que o período noturno nos leva a sensações de solidão. Quantas vezes nos deparamos com insônia causada por circunstanciais problemas e nos sentimos sozinhos no seu enfrentamento, carentes de uma companhia solidária ou de alguém com quem possamos compartilhar a preocupação. Nesse turno sombrio perdemos a noção da importância da espera.
No entanto, ao olharmos para trás em nossas vidas, vamos encontrar repetidos registros de que os acontecimentos se sucedem conforme o direcionamento do nosso próprio existir. Somos conseqüência do que fazemos e do que concorremos para acontecer. Quantas vezes ao acordarmos percebemos que o sol voltou a brilhar com toda a sua intensidade, nos devolvendo a alegria de viver, a esperança e o entusiasmo.
Por isso, na sua sapiência, o povo coloca “nada melhor do que um dia atrás do outro”. Seja na alteração do estado de espírito para melhor, seja na percepção de que tudo vai mudar, seja na compreensão de que a noite tenebrosa vivida serviu de alerta para redefinição dos caminhos a percorrer.
Isso vale para os dilemas de ordem pessoal, como vale em todos as crises temporais, na política, na economia, nas relações de família e da sociedade. Equívocos cometidos podem ser lamentados, mas também podem servir de lições na convicção de que tudo pode mudar. Esse ditado popular nos fortalece na certeza de que o outro dia não será igual ao que vivemos em determinados instantes e que nos cabe potencializar a capacidade de sermos pacientes e esperançosos num novo amanhecer. Acho que todo mundo já se surpreendeu afirmando, “tem nada não, nada melhor do que um dia atrás do outro”, como se quizéssemos dizer “dessa vez não deu certo, mas amanhã é outro dia e tudo será diferente”.
* Integra a coletânea de textos que intitulei “REFLETINDO A SABEDORIA POPULAR (ditados e provérbios).
 Fonte: VSCOMonline

Nenhum comentário:

Postar um comentário